A questão humanitária por trás da criação e do abate de suínos

O zootecnista Diovani Paiano, da Universidade do Estado de Santa Catarina, proferiu três palestras no Comgran 2019, e todas mostraram a crescente preocupação do setor com o bem estar dos suínos.

Ao abordar o tema do correto manejo para o desmame do leitão, Paiano apresentou formas de amenizar o impacto do desmame com vistas a melhoras do seu desempenho e qualidade de vida. Como exemplos, citou a introdução de alimentos funcionais na dieta (que, além do valor nutritivo, tem propriedades extras como melhora da imunidade, do consumo e da saúde de forma geral), o agrupamento correto, a utilização de aditivos e o treinamento pré-desmame para que o leitão passe da melhor maneira possível para a próxima etapa de vida.

No Brasil, o desmame é feito aos 21 dias de vida, enquanto que na Europa o processo ocorre aos 28 dias de vida do leitão.

Com relação aos desafios na criação de matrizes gestantes em sistema coletivo, Paiano comentou que existe uma tendência mundial de acabar com a criação de porcas em celas individuais, migrando para a criação em grupos, para que elas possam expressar seus comportamentos naturais e, com isso, melhorar o bem estar dos animais. “Na Europa a criação individualizada é proibida desde 2008, no Brasil estamos começando a mudar o processo, motivados por esta preocupação com a humanização do tratamento de nossos animais”, disse.

Por fim, centrado na questão do abate – que acontece aproximadamente aos 170 dias de vida, quando o suíno pesa cerca de 125 quilos –, Paiano explanou sobre as dificuldades enfrentadas no último dia de vida do animal e as maneiras de melhorar seu bem estar, diminuir perdas do abatedouro e promover a melhor qualidade de carne. Entre as possibilidades de sensibilização estão a eletronarcose (onde o suíno é insensibilizado instantaneamente) ou por CO2 (inserindo o suíno em um ambiente com maior quantidade de gás carbônico).

Organização: MarkMesse

Conteúdo: Básica Comunicações

Fotos: Jean Pavão 

A questão humanitária por trás da criação e do abate de suínos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *